(Foto: André L. Soares)

.
.
.
A REDENÇÃO DE NARCISO
(André L. Soares)
.
Tentei tornar mais forte o coração,
fazê-lo solo agreste, embrutecido,
que resistisse a tudo, enquanto vivo,
preso à certeza pobre da razão.
.
Assim buscando, fiz-me solidão,
somente tendo em mim gentil abrigo.
Pensava ser o muito que preciso;…
até que, sábia, a vida disse: – Não!
.
E eu sucumbi à graça do sorriso;
pus meu destino incerto nas tuas mãos;
provei do amor
o gosto era perfeito.
.
Agora vejo um mundo mais bonito:
não quero nada menos que a paixão;
nem busco o vil carinho dos espelhos.
.
.

.

.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

Anúncios