(El Hombre de Arena – Madstalfos)

.
.
.
OS INVISÍVEIS
(André L. Soares)
.
Famintos pelas ruas,
vestidos com mulambos,
calçados com chão duro;
banhados na sujeira,
sob as luzes do entulho.
Tratados pior que bichos:
têm por teto, as estrelas;
por comida, só o lixo;
quando mortos, sem velório;
enquanto vivos, sem defesa.
.
São os filhos invisíveis,
desse matrimônio inglório
da maldade com a pobreza.
.
.
.

.
Leia também:
Alma de Poesia /Gritos Verticais /Natureza Poética /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

Anúncios