(Foto: André L. Soares)

.
.
.
VEREDAS E DIAMANTES
(André L. Soares & Rita Costa)
.
Ver-te aqui, nessas horas…
de palavras sentidas, sem alarde,
em que transcendes a poesia,…
é ter nos olhos refletido
o sereno transparente da aurora.
.
Vertes em mim,… inconsciente,
toda a alma em verdades
que transpassam pela pele,…
revelando fragmentos
que até então desconhecias.
.
Enfim,… invertidos os prismas,
busco, no oculto de tua lágrima
– delatora a descer sobre os relevos –,
o umbral que me leve aos rituais
de intuições e de segredos.
.
Assim,… verso a delicada semente,
subscrevendo em silêncio
cada verbo dos gestos que vi
florescer, em mais um dia,
pela essência dos sorrisos.
.
.
.

.
Leia também:
Alma de Poesia /Gritos Verticais /Natureza Poética /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

Anúncios