(Demon’s Door – Gray Sapphire)

.
.
.
AO MALDITO GEORGE BUSH
(André L. Soares)
.
Chegado ao fim o horror que foi teu tempo,
marcado pelos traumas dessas guerras,
que a morte ganhe, pois, mil mãos severas
pra urdir teu mais moroso sofrimento.
.
Que, à madrugada, os gritos mais horrendos
– dos homens bons, dos quais fizeste feras –,
vindos das covas rasas e trincheiras,
cheguem a ti… sofridos e violentos.
.
Tendo levado caos a tanta gente,
que, então, conheças dor na iniqüidade,
preso às masmorras tórridas do inferno,
.
onde terás pavor por todo o sempre
e te unirás aos outros vis covardes,
quando virás a ser pasto de Cérbero.
.
.

.

.
Leia também:
Alma de Poesia /Gritos Verticais /Natureza Poética /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

Anúncios