(Abaporu – Tarsila do Amaral)

.
.
.
‘RETIRÂNCIAS’
(André L. Soares)
.
Correu até a porta,
parou em pé, no alpendre…
– por dentro, quase morta –,
fez do sorriso amarelado
a máscara de forte;
de profundo silêncio compôs
uma ode à saudade;
mas não pôde deter
a lágrima involuntária
que o chão seco logo absorveu.
.
Queria ser imune à dor.
Sua cabeça, porém,
já mergulhada no passado,
trouxe à tona uma vida inteira:
– momentos que tornavam insuportável
o brusco desapego.
Haveria, então, que sofrer
outra vez mais.
.
Foi assim que, atônita,…
em pé, no alpendre,
querendo parecer viva por fora
– por dentro já estando morta
ouviu se esvaírem na distância
os passos do derradeiro filho
a ir embora.
.
.
.

.
Leia também:
Alma de Poesia /Gritos Verticais /Natureza Poética /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

Anúncios