(Free – Shylydrya)

.
.
.

LIBERTA
(André L. Soares)
.
Deixava-se molhar por sob a chuva,
abria os braços e recebia as águas,
liberta que se achava das amarras,
indo e vindo, onde e quando bem queria;…
alegre e louca, influenciada pela lua,
leve e solta assim,… lavava a alma.
.
Mas poucos entendiam o que sentia,
ao vê-la bailando linda pelas ruas,
rindo-se do que lhes parecia nada,
cantando e dançando na calçada,
amando a sensação nova que vivia.
.
.
.

.
Leia também:
Alma de Poesia /Gritos Verticais /Natureza Poética /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

Anúncios