(A Família Tarsila do Amaral)

.
.
.
LAMENTO SERTANEJO
(André L. Soares)
.
O roçado tá ‘morreno’,
não há mais o que ‘fazê’.
‘Sêca’ se aliou às ‘praga’,
nem sobrou o ‘de comê’.
Diante dessas duras ‘pena’,
já ‘rezemo’ mil ‘novena’
para tudo que foi santo.
Dei à quermesse as ‘ovelha’,
caí na terra de joelhos;
Deus do céu mandou as ‘água’,
mas foi na forma de pranto.

. 
‘Home’ humilde desse chão,
acato as ‘decisão’ divina:
com fé ‘infrento’ minha sina
e não questiono o ‘Criadô’.
Por pouco vendo os ‘novio’,
na dor eu enterro os ‘fio’
nesse meu sagrado solo
Vou agora a outras ‘parage’,
seguindo nova ‘viage’
‘Inrriba’ do caminhão.
Na partida hoje eu choro,
junto as ‘mágoa’, lavo os ‘óio’,
mas um dia hei de ‘voltá’
pra ‘morrê’ no meu sertão!
.
.
.

Anúncios