(Young Beauty I – Cristina Mavaracchio)
.
.

.

A VOZ DO CORPO
(André L. Soares)
.
Teu corpo fala
e quando ele faz silêncio
quer chamar minha atenção.
Não adianta,
eu conheço tuas manhas,
sei tuas senhas, sei tuas sanhas,
como a palma da minha mão.

Teu corpo canta…
entoa doces melodias
quando quer o meu carinho.
Eu nunca erro,
vem com o mesmo repertório,
a voz dengosa, isso pra mim é notório,
tu estás rouca de paixão.

Teu corpo grita
e descarrega obscenidades
quando olho e não te beijo.
Tu nem disfarças,
rasgas o verbo no sossego da cidade,
pra mostrar que o teu desejo
transformara-se em vulcão.

Teu corpo chora
se eu te faço as vontades,
chego e te pego de jeito…
como só eu sei,
e te amo, do meu modo meio bruto,
até te falto com o respeito,
mas sacio o teu tesão.
.
.
.
Anúncios