(A l’Ombre de Tes Yeux – David Graux)

.
.
.

PUTA
(André L. Soares)
.
Puta é aquela que se entrega inteira,
cheia de truques e doces artimanhas,
desprovida de tabus, medos e besteiras,
dona de si e de todas as suas opções;
faz caras e bocas, ri como vadia,
elege o macho, mas se finge de escolhida
e faz de seu homem o que bem quer.
Tem vezes que bate, noutras apanha,
escrava e senhora das próprias emoções,
ela manda e desmanda na noite e no dia,
assume trejeitos de dama da vida.
Na verdade é poderosa fêmea,
mas em sua essência é só uma mulher.
Desejada em todas e quaisquer das horas,
capaz de tornar rei um homem tímido,
satisfazer ou humilhar os garanhões.
Quando parece dominada ela vai embora,
homem de negócio em sua mão vira menino
e, em vão, perde a última moeda que tiver.
.
.
.
Anúncios