(Portofino Colors – Michael Otoole)
.

.

SONETO À LIBERDADE
(André L. Soares)
.

No mar, buscar força. Vento e sol no rosto.
Derrubar os muros. Peito sempre aberto.
Trocar o tédio pelo incauto e o incerto
e postar-se sempre em flanco mais oposto.

Não viver em função apenas de dinheiro.
Gozar da vida só o que lhe faz contente.
Brindar com Baco, dançar com toda gente,
estendendo-se a festa ao planeta inteiro.

E ver a Justiça junto à Liberdade,
trôpega e em risos, soltando as amarras
até não haver dor ou povos oprimidos.

Não mais haver favelas, fome, excluídos,
nem miséria, prisões, celas, grades, barras
e então, nascer radiante outra humanidade.
.
.
.

Anúncios