(‘Bal au Moulin de la Galette’ – Pierre-Auguste Renoir)

.
.

.
O BÁRBARO
(André L. Soares)
.
Quero invadir o teu sexo
como quem toma de assalto um país
manipular teus ímpetos
violar tuas defesas
sussurrando em teus ouvidos
delícias obscenas
e com carícias plenas te fazer feliz.

Quero ser o teu carrasco
algoz perverso da tua paixão
que ao desejo não dá trégua
mas que com a dura mão que afaga
deixa seca tua boca
e faz de tuas entranhas um rio
que corre em meio a um vulcão.

Quero ser o ditador
de tuas vontades
dotado de maldade especial
disparando mil beijos suaves
contra a fortaleza que é o teu pescoço
e num descomunal esforço
ao longo de dias fazendo amor
provarei o teu sabor nessa orgia
e como pátria conquistada
tu farás tudo o que eu quiser
servirás ao teu bárbaro invasor
que orgulhoso e violento
tomará posse
do teu corpo de mulher.
.
.
.
Anúncios