(‘A Lua’ – Tarsila do Amaral)

.
.
.
DIONÍSIO
(André L. Soares – 22.07.06 – V. Velha/ES)
.
Não temo a loucura arriscada
que parece acompanhar tudo que é novo.
O que mais me assusta é a inércia da certeza
que insiste em macular de tédio o amanhã,…
pelo extraordinário que inexiste
nas coisas seguras.

Quão insípidas são essas horas
todas já tão planejadas;
esses passos firmes, por estradas retas,
acinzentando o mundo com prévios resultados.

Sei que posso estar errado,…
mas prefiro o inusitado
perigo das curvas.
.
.
.<!–

–>

Anúncios