.
.

SONETO DO AMOR PERFEITO
(Eloah Borda)
.
Ah!… Em sonhar aquele amor perfeito,
que acreditei, ainda existir pudesse,
a vida se me foi… e no meu peito,
agora um triste coração fenece.

Já de esperar cansado, contrafeito,
sentindo o frio da solidão, em prece,
pede um amor qualquer, mesmo imperfeito,
que o faça reviver…Ah, se eu pudesse!

Mas é tão tarde! A estrada é quase finda,
e não há volta no caminho estreito
que sempre adiante segue nesta vida.

Agora é prosseguir, mesmo que ainda,
a solidão que habita no meu peito,
te mate, coração, não há saída…
.
.
.

Anúncios